The Legend of Zelda: Breath of the Wild é um jogo monumental.

É gigante.

Você acorda, convocado por uma voz vinda do além. Ela diz para você sair da caverna onde você, pelo visto, dormiu por mais de um século. Quando você está quase na saída, se depara com um barranco. Você o escala e sai. Você corre para o mirante. O que espera por você é um reino a perder de vista. Montanhas, florestas, um templo. Rios e lagos, uma geleira lá longe, um vulcão.

Essa é a Hyrule de The Legend of Zelda: Breath of the Wild. É gigante.

Sabe tudo isso que a gente tá lendo de bom de Breath of the Wild? Pois é, é pouco. O jogo é fora de série.