Irrelefante

Como eu comecei a me organizar e escrever melhor

Ontem eu tuitei sobre como eu desenvolvo as ideias que eu tenho em posts pra esse blog. No início do ano eu decidi que ia recuperar todos os vários blogs que tive desde que eu entrei no ensino médio em um só lugar (com exceção dos conteúdos pro Pão com Mortadela, que continuam onde sempre estiveram).

Esse meu “método” (se é que dá pra chamar assim) surgiu quando eu precisei descobrir um jeito de escrever a minha monografia ano passado. Demorou, mas eu descobri que eu preciso escrever em pé (?!), geralmente cedo da manhã (??!), depois de já ter a estrutura do que eu quero escrever pronta (…).

Fora as notas e links que eu posto aqui, que costumam serem bem mais curtos, eu ando postando posts mais longos e geralmente que demoram umas duas ou três semanas pra escrever. Hoje de manhã eu terminei minha quase-análise-quase-diário sobre The Sims 4: Estações, que é algo que eu venho trabalhando há umas duas semanas já, e vou usar ele como exemplo de como eu resolvi escrever mais em 2018, e como eu tô fazendo isso.

Não são duas semanas escrevendo. É algo como 80% lendo e pesquisando e os outros 20% planejando o post e redigindo ele de fato. Pro post sobre Estações eu precisei não só jogar o suficiente da expansão, mas também tentar organizar os meus sentimentos sobre a série como um todo. The Sims é algo que me acompanhou por vários momentos importantes da minha vida e eu precisava tentar decifrar o que ele poderia ter significado pra mim. Eu fiz isso através das minhas memórias com esses jogos, claro, mas também lendo as reações das pessoas sobre eles — seja da crítica ou seja dos fóruns (ainda bem que os fóruns do OSimBR ainda estão no ar). The Sims 2, que eu falo por uma boa parte do post, eu não jogo há uns bons dez anos e não tenho um Windows pra jogar ele de novo, então tudo o que eu escrevi sobre ele é baseado nas minhas lembranças emocionais e no que eu li (e lembro de ter lido) sobre o jogo.

Essa minha pesquisa por leitura vem toda com uma sondagem antes, e eu salvo todos os artigos que me parecem interessantes no Instapaper. Se você conferir o meu perfil no Instapaper vai poder ver as minhas anotações e os links que eu leio antes de escrever algo aqui.

É geralmente durante essa parte de leitura que eu compreendo o que eu exatamente quero falar. Eu escolho um tópico — o que The Sims 4: Estações resgatou na franquia — e espero por sete perguntas que eu possa ter em relação ao tema. Geralmente, essas perguntas variam de coisas mais simples:

  • quem faz (autor, quando aplicável);
  • o que faz (assunto — The Sims, no exemplo);
  • como isso é feito (forma — os pequenos momentos que Estações traz à jogabilidade);
  • onde isso é feito (o momento, ou o elemento, exato que a forma realiza o assunto — o Calendário de Estações); e
  • por que isso é feito (temas e subtextos — a conexão desses pequenos momentos de jogo com a vida do jogador).

Tendo essas perguntas, eu tento responder elas. Eu faço isso num caderninho genial que uma professora da faculdade me deu de presente de formatura: cada página tem sete linhas, e eu tento resumir essas respostas a uma frase:

Página do meu caderno com anotações sobre meu último texto nesse blog. As respostas para as minhas perguntas sobre The Sims 4 Estações.

Geralmente o texto segue esses pontos em ordem, porque a ideia se forma de um jeito mais fácil desse jeito — linearmente, conforme ela foi evoluindo na minha cabeça. No caso de um dos posts que eu estou pesquisando nesse momento, eu acho que não vai ser assim (é algo mais extenso, que eu provavelmente vou ter que usar textos mais teóricos, etc.).

É um processo, e com certeza não funciona pra todo o mundo. Eu conheço amigos que vão na tentativa e erro até a ideia sair formada de um texto que foi revisado inúmeras vezes. Eu tenho amigos que sequer revisam, o texto vive tão forte neles que eles simplesmente colocam na página com facilidade. Como eu sou muito prolixo e minhas ideias geralmente embolam antes de eu sequer pensar nelas, esse foi um bom método que eu usei pra organizá-las na hora de colocar no papel (eu faço muitas anotações na mão, o computador me distrai um bocado). Eu acredito que tô escrevendo mais claramente hoje, ainda bem. Se tem mais sugestões de como eu posso escrever melhor, me dá um toque.